O Efeito do ESG no Supply Chain

0
37

O Efeito do ESG no Supply Chain.

 O mercado, quer seja ele, industrial, varejo, construção civil ou agrícola, está se balizando hoje no conceito ESG – Ambiental, Social e Governança.

Em 2005 a ONU (Organizações das Nações Unidas) e o Banco Mundial com anuência de 20 instituições financeiras representada por 9 países, tendo o Brasil como sendo um dos signatários da ONU para estes assuntos através da ABNT PR 2023:2022, que apresenta os conceitos, modelos e diretrizes para definição das organizações agir e enquadrar-se Ambientalmente, Socialmente é Governança; sendo que em 2020 no Fórum Econômico Mundial realizado em Davos, teve como tema central das discursões. visando a perenidade do negócio.

Desafios das Empresas

Hoje as empresas possuem desafios como: Preservar reputação, gerar valor ao cliente e idealizá-lo, substituir hierarquia por alianças e cooperação, fixar cultura de fazer o correto, melhorar a operação, garantir boas práticas em toda a cadeia, aumentar a confiança dos colaboradores, prevenir incidentes e diminuir impacto e reduzir efeitos das externalidades.

Portanto, a melhor forma de determinar se uma empresa é sustentável ou você verificar se sua empresa é sustentável, pode-se valer dos conceitos do ESG na estratégia dos negócios, ou seja, avaliar se como está efetivamente sua atuação nos campos abaixo:

  • Environmental (Ambiental)
  • Conservação e redução do impacto do aquecimento global,
  • Redução das emissões de carbono,
  • Desmatamento,
  • Gestão de hídrica,
  • Eficiência energética,
  • Poluição de rios e mananciais,
  • Biodiversidade,
  • Gestão dos resíduos.
  • Social
  • Colaboradores, investidores, fornecedores, governo, terceiro setor,
  • Comunidades do entorno e demais parceiros comerciais
  • Diversidade e equidade de gênero na equipe
  • Comprometimento com os direitos humanos e leis trabalhistas
  • Relacionamento com o entorno
  • Satisfação do cliente
  • Proteção de dados e privacidade
  • Engajamento e segurança de colaboradores
  • Governance (Governança)
  • Crescimento,
  • Transparência,
  • Comunicação sobre performance de resultados
  • Questões relacionadas à ética e compliance. (Transparência, Gestão interna, Estrutura do comitê de auditoria, Conduta corporativa, Remuneração de executivos, entidades governamentais)

 Como podemos definir conceito ESG?

ESG, está ligado ao universo dos investimentos financeiros, com intuito de atingir o equilíbrio dos aspectos ambiental, social e de governança na gestão dos negócios. Portanto, os aspectos econômico, de transparência e ética se articulam, buscando assegurar a competitividade e a perenidade de uma empresa.

ESG – objetivos de negócio são

  • Econômico da empresa visando a maximização de seu valor de mercado.
  • Ricos – minimizar os riscos de investimentos realizados pelos proprietários de empresas pois, deve-se produzir um retorno dos investimentos compatível com o risco assumido.
  • Lucro e fluxo de caixa propiciando que a empresa cumpra sua função social.

ESG onde podemos aplicar:

 O Conceito ESG pode ser aplicado, tanto internamente como externamente, logo; podemos considerar o ESG como uma via de mão dupla, assim vejamos:

Internamente: uma empresa utiliza critérios sócios ambientais para fortalecer as suas estratégias e as posicionar para o mercado.

Externamente: usando-o como métrica para avaliar o desempenho de empresas com relação a sua parte Ambiental, Social e Governança.

Benefícios a atingir

Benefícios que podemos atingir ao utilizar os critérios de ESG na gestão Ambiental, Social e Governança:

  • Ambientais
  • Diminuição dos impactos provocados pelas mudanças climáticas;
  • Redução da captação de recursos naturais, principalmente os recursos hídricos;
  • Possibilidade de regeneração dos ambientais naturais;
  • Redução de desmatamentos e desflorestamentos;
  • Conservação da biodiversidade.

 

  • Sociais
  • Garantia de direitos humanos, como o combate ao trabalho infantil e ao trabalho análogo ao escravo;
  • Investimentos por parte das empresas em projetos e desenvolvimento nas comunidades do entorno;
  • Elaboração de iniciativas que priorizem segurança e saúde da comunidade e dos colaboradores das empresas.
  • Governança
  • Contam com uma gestão robusta para identificar riscos socioambientais e mitigá-los para potencializar oportunidades ao negócio;
  • Contar com processos claros que garantam ética e compliance, transparência e resultados no negócio;
  • Gerar valor na cadeia produtiva sustentável, posicionando o compromisso da companhia com o presente e com o futuro;
  • Garantir a diversidade em fóruns de gestão e políticas anticorrupção;
  • Agregar competitividade via negócios mais eficientes e otimizados que permitem a perenidade da empresa;
  • Fortalecer a posição de marca empregadora, já que as pessoas cada vez mais buscam propósito e valores fortes nos lugares em que trabalham.

Como as empresas poderão obter investimentos no futuro próximo

Empresas que buscam investimento no mercado financeiro para aporte de capital devem se ater aos conceitos do ESG pois; conforme resoluções:

Bacem nº 139 que estabelece regras de divulgação do Relatório de Riscos e Oportunidades Sociais, Ambientais e Climáticas (Relatório GRSAC), tem como objetivo promover a transparência e a gestão responsável dos riscos sociais, ambientais e climáticos pelas instituições financeira

CMN n° 4.327 PRSAC (Política de responsabilidade socioambiental e climática), pela primeira vez em âmbito regulatório, pede-se a demonstração dos procedimentos de análise desses riscos

Nenhuma empresa conseguirá qualquer aporte financeiro de capital se não apresentarem relatórios, que comprovem efetivamente a sua saúde financeira através das práticas efetivamente implementadas do ESG.

 

Indicadores do ESG

 

O ESG está ligado ao universo financeiro e se não tivermos como medi-los não será possível controlar e determinar a saúde financeira das empresas quanto a sua sustentabilidade – Ambiental, Social e Governança – uma vez que as entidades financeiras estão olhando o Indice de sustentabilidade Empresarial (ISE), índice este, que surgiu no Brasil como uma ferramenta para, acompanhar e incentivar a postura sustentável por parte das companhias, bem como ressaltar as empresas alinhadas a essa ideia e tornar mais atrativo o investimento nesse campo, logo; empresas que seguem essa proposta, na maioria das vezes, atingem resultados financeiros satisfatórios como:

 

  • Índices ESG da bolsa de valores:
  • Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE),
  • Indice Carbono Eficiente (ICO2)
  • S&P Dow Jones Índices (DJSI)
  • Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC)
  • Indice de Governança Corporativa Trade (IGCT)
  • Índice Governança Corporativa – Novo Mercado (IGC-NM)
  • Índice de Ações com Tag Along Diferenciado (ITAG)

Conclusão

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) passou a oferecer um ranking com as empresas de capital aberto que reflete efetivamente a sua ação e comprometimento segundo a agenda ESG.

Portanto; se as empresas não procurarem enquadrarem rapidamente a agenda do ESG deverão acender um alerta.

Já dizia “Jack Welch – quando a velocidade mudanças externas supera a velocidade das mudanças internas, o fim estará próximo – alerta Jack Welch”

 Bibliografia:

  • Palestra Indicadores Financeiros e ESG – Prof. Dr. Ronaldo Raemy Rangel – 2024.
  • Descomplicando o significado de ESG: entenda esse conceito – Time de Sustentabilidade e comunicação Corporativa Raziem – 2021.

Engº José Carlos V. de Mendonça.

E-mail jcmendonca@pratesmendonca.com.br

Fone: (+5511) 9.83316591

Direitos reservados a Prates & Mendonça Consultores.

Foto: Ilustrativa ( Divulgação)