Os desafios do presente e futuro do empreendedor no Brasil

0
35

Os desafios do presente e futuro do empreendedor no Brasil

Pompeo Scola*

                                   

Na recente história da humanidade, a pandemia foi um divisor de águas e o mundo passou a ter uma nova realidade em todos âmbitos da sociedade após março de 2020. No mercado corporativo não foi diferente, enquanto algumas empresas tiveram que encerrar suas atividades, outras emergiram com muita força para suprir necessidades que até pouco tempo nem se imaginava. No aspecto social, o isolamento fortaleceu as relações familiares, o que levou diversas pessoas a darem novos rumos às suas carreiras priorizando os momentos mais próximos com os entes queridos.

               

Esse novo cenário mudou (e está mudando) o perfil e o comportamento dos novos empreendedores no Brasil, e o mercado também teve que se adaptar. No nosso caso, por exemplo, não foi diferente. Até então a Cyklo Agritech, uma aceleradora de startups que é 100% dedicada ao agronegócio, tinha uma única estrutura em Luís Eduardo Magalhães, no Oeste Baiano, na qual os empreendedores faziam uma imersão de nove meses para validação de seus projetos. Porém, pós pandemia, em meados de 2022 identificamos que fazer a aceleração a distância estava desestimulando os empreendedores a se inscreverem em nossos editais.

A partir dessa constatação foi necessário repensar este modelo. Mas de que forma seria possível acessibilizar essa mentoria sem que o processo fosse comprometido e que os empreendedores não precisassem ficar um longo período longe de seus familiares? A saída foi mudar a estratégia colocando as estruturas físicas de aceleração mais perto dos profissionais. Desta maneira foi criada uma unidade em Santa Catarina e outra em São Paulo. A ideia de estar em Joinville foi para atingir todo Oeste Catarinense, região onde há muitos interessados e no interior paulista visando justamente todas as cidades com vocação agrícola.

A partir de então, uma parte do problema foi solucionada, pois os empreendedores passaram a ter um ambiente mais confortável para a aceleração. Entretanto, por outro lado, o processo ficava mais longo e somado a isso, o mercado passou a ser mais seletivo, competitivo e globalizado, ou seja, hoje, para uma startup vingar e dar certo é preciso, ir além de uma boa ideia. Mais do que nunca é fundamental que o empreendedor tenha um projeto de pesquisa bem fundamentado, que ele tenha estudado aquele assunto por mais de três anos, verticalizado a sua pesquisa. Além disso, é imprescindível entender como o seu projeto funciona ou pode funcionar no Brasil e no exterior, e claro, ter pessoas dedicadas neste mesmo objetivo.

Ciente desses pontos, as chances de sucesso são maiores, mas sempre é preciso ter os pés no chão sem se deixar levar pela empolgação, afinal, uma boa ideia não é garantia de lucros. E claro, por último e não menos importante, que o empreendedor esteja totalmente focado no negócio, respirando aquilo 24horas por dia 365 dias no ano.

Desafios atuais

O desafio hoje para as aceleradoras e para o mercado de inovação é encontrar pessoas dispostas e motivadas a estudar full time o novo. Por conta dessa mudança de comportamento social já citadas, ter esse foco exclusivo está cada vez mais difícil e isso explica o motivo de ser cada vez mais difícil surgirem novos unicórnios no mercado, ou seja, aquelas startups que atingem uma valorização de mercado de US$ 1 bilhão sem ter presença na bolsa.

Além disso, o Brasil tem problemas estruturais que esbarram na cultura, na sociedade e principalmente na área financeira, um gargalo, na maioria dos estados, que ampliam o grau de dificuldade para desenvolver a inovação. Como uma pessoa que trabalha mais de 40 horas semanais para poder pagar as contas terá tempo para se dedicar a um projeto inovador? Não há tempo para algo novo. Sem este equilíbrio social e sem um bom nível cultural é difícil encontrar pessoas que possam se desprender do dia a dia para tentar empreender.

Importância da aceleradora

Nessa jornada de inovação o papel da aceleradora é fundamental, afinal sua missão é olhar para todo o ecossistema do mundo das startups, indo além do negócio em si. Ou seja, contornando os fatores sociais e tecnológicos impeditivos contribuindo com este desenvolvimento. Desde sua fundação, por exemplo, a Cyklo se esforça para estar mais próxima das startups com o objetivo de fazê-las darem certo. Atualmente monitora cerca de 1.500 delas. Essa estratégia de estar em contato com esses profissionais é com objetivo de tentar manter viva essas iniciativas que ainda estão em projetos de faculdade e ou incubadora para no momento certo levá-las à etapa seguinte de aceleração.

Também costumamos publicar teses sobre assuntos que podem ser importantes com o objetivo de estimular os empreendedores no agro. Dessa forma invertemos o processo. Em vez de ser uma iniciativa de inovação aberta, passa a ser inovação dirigida. Para concluir, é muito importante destacar o nosso papel de aceleradora no agro na busca pela inovação. O Brasil é um país tão grande e heterogêneo que o desenvolvimento da inovação também ocorre de forma. O que quero dizer é que nas grandes capitais a tendência é que tenhamos mais soluções e oportunidades para empreendedores do setor secundário e terciário. Para desenvolver um projeto para o agronegócio, o empreendedor precisa estar no campo onde terá a chance de testar e validar suas ideias. E cabe a nós fazer essa aceleração e a conexão com os produtores.

*CEO da Cyklo Agritech e consultor e especialista no desenvolvimento de startups.